POLÍTICA

“Acredito que desta vez teremos um acordo duradouro” diz Dhlakama

O presidente do maior partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, disse estar confiante na resolução dos contenciosos que ameaçam constantemente a paz em Moçambique, elogiando o empenho do Presidente da República, Filipe Nyusi.

“Acredito que desta vez [teremos um acordo duradouro], da maneira como falo com o Presidente da República, ele também diz que está apostado em acabar com todos os assuntos pendentes”, disse Afonso Dhlakama, falando, por telefone, a partir do distrito de Gorongosa, província de Sofala, citado pela Lusa.

Insistindo que as «confusões no país vão cessar», Dhlakama recordou que assinou o Acordo Geral de Paz em 1992 com o então Presidente moçambicano, Joaquim Chissano, e o Acordo de Cessação das Hostilidades Militares em 2014, com Armando Guebuza, na altura também chefe de Estado, mas o país não conseguiu viver em paz plena.

“Vamos ver se acordo que vou assinar com [Filipe] Nyusi vai acabar com todas as confusões no país, para termos paz efetiva, eleições democráticas, livres e transparentes, para o desenvolvimento de Moçambique”, afirmou Afonso Dhlakama.

Loading...

O líder da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) acrescentou que os grupos de trabalho sobre a descentralização administrativa e sobre os assuntos militares, formados com o Governo no âmbito das negociações de paz, vão trabalhar seriamente durante os próximos 60 dias, no sentido de apresentarem propostas nas suas respetivas áreas de trabalho.

“O que eu posso dizer é que vai acontecer trabalho sério, porque teremos que terminar este trabalho, para depois assinar definitivamente o acordo final das hostilidades para que haja paz efetiva”, enfatizou Afonso Dhlakama.

O grupo de trabalho sobre a descentralização, prosseguiu Dhlakama, terá de apresentar à Assembleia da República uma proposta de lei, prevendo a eleição direta dos governadores provinciais e a autonomia financeira das províncias.

“A questão militar é mais simples, é o enquadramento dos quadros da Renamo nos lugares de chefia das Forças de Defesa e Segurança, a [discussão sobre a despartidarização da] polícia e o SISE [Serviços de Informação e Segurança do Estado] será mais tarde”, acrescentou Afonso Dhlakama.

Fonte: Lusa

Loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

2 Comentários

  1. Não dá mas para acreditar neste falso hipocrita

  2. Alberto disse:

    A paz é um bem precioso para todos,gostaria que assim fosse a resolucao das diferencas e que este dialogo seja algo permanente não duradouro, pois tudo que se resolve não pode se repetir,estam de parabens os dois líderes especialmente para o presidente da republica por mostrar o quanto foi capaz de lutar mesmo quando não era possivel,sem se esquecer de algumas leis da vida que dizem:numa casa sempre há conflitos,mais o importante é a reconselhação

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.