POLÍTICA

Moçambique precisa fazer mais ajustes para receber apoio do FMI

A missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Maputo advertiu que Moçambique precisará de mais medidas de ajuste macroeconómico em 2017, apontando a contenção salarial e a eliminação gradual dos subsídios gerais a bens de consumo.

Num comunicado emitido hoje, após o fim de uma visita entre 01 e 12 de dezembro a Maputo, a missão do FMI saudou o “ambiente construtivo e de colaboração” do diálogo com as autoridades moçambicanas, bem como o “bom progresso em várias questões técnicas”, mas avisou que serão necessários mais ajustes de consolidação da estabilidade macroeconómica e financeira, de modo a abrir espaço para um novo programa apoiado pelo Fundo.

Em concreto, a missão do FMI apontou a necessidade de uma “atenção especial à contenção da expansão da folha salarial e eliminação gradual dos subsídios gerais aos preços”.

Loading...

Ao mesmo tempo, o Fundo reiterou a mensagem de que o Governo moçambicano deve garantir a proteção dos programas sociais críticos e o reforço do sistema de segurança social, de modo a “amortecer o impacto dessas medidas sobre as camadas mais vulneráveis da população”.

Entre as medidas que o FMI entende serem essenciais no próximo ano, inclui-se igualmente a limitação dos riscos fiscais de algumas empresas públicas.

“Mobilizar receita adicional através da redução de isenções fiscais e fortalecimento da gestão da receita é também essencial. Em adição, a missão destacou que um compromisso sólido para com o ajuste fiscal é um elemento essencial para facilitar as discussões sobre a reestruturação da dívida com os credores”, assinala o comunicado.

Fonte: Lusa

Loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.